quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Canto de contos curtos

Da série "reflexões"


Ocorreu-me a lembrança de um sonho: permanecia de pé na cabeceira da pista de um aeroporto qualquer. Meus braços abertos pareciam abraçar a ventania. No horizonte um ponto que crescia, avolumava-se, ganhava forma. Duas asas cortando os céus. O pássaro metálico se aproximava olhando diretamente para meus olhos. Descia e ficava mais perto. Seus pés de borracha tocaram o chão com agressividade, levantando uma enorme nuvem de poeira. Velocidade feroz pra cima de mim. Olhos cada vez maiores rumo ao meu encontro. Frente a frente. Cara a cara. Eu, imóvel. Quando quase a ponto de me atropelar violentamente, ele para. O nariz do avião e o meu nariz se tocam levemente. E se parece estranho que o meu nariz se nivele à altura de um nariz de avião, isso é com a inconsistência dos sonhos.


Um comentário:

Eliane Accioly disse...

Flavio,

recebi seu e.mail e convite, estou aqui e o sigo.
venha até meus blogs!
É muito interessante sua proposta de publicar autores.
Logo lhe enviarei um texto,

um abraço