terça-feira, 9 de agosto de 2011

Lord Byron em Sintra

- Raquel Maria Carvalho Naveira -

         "Era ele,
         Lord Byron,
         Na carruagem que seguia
         Pela serra
         Rumo ao mosteiro suspenso,
         Encostado à penedia. 
         Era ele,
         Lord Byron,
         O poeta romântico,
         Buscando a liberdade
         Com a paixão
         De uma eterna idolatria. 
         Eu o vi:
         A face lívida,
         A capa negra de vampiro,
         O sorriso de D. Juan cínico
         Que enfeitiça a alma das mulheres
         Na mais cruel vilania. 
         Era ele,
         Na estrada de Sintra,
         Naquele glorioso Éden,
         Naquelas ruínas melancólicas,
         Ele, tão jovem e propenso à desgraça,
         Mestre supremo do ócio e do spleen,
         Imerso naquela verdura
         E no perfume das camélias.
 

         Era ele,
         Cheio de carisma e beleza,
         Aristocrata da tormenta.
 

         Foi depois daquele passeio que ele escreveu:
         “_ Há um prazer nas florestas desconhecidas,
          Um entusiasmo na costa solitária,
          Uma sociedade onde ninguém penetra;
          Amo não menos o homem, mas também a natureza.”

 

         Lord Byron...
         Ninguém foi tão disputado quanto ele
         Desde os tempos da Guerra de Troia,
         Eu o vi
         Em sua viagem por terras da Ibéria,
         Subindo em direção ao lago,
         Como um anjo negro,
         Maestro de uma gótica sinfonia.
 

         A carruagem sumiu na neblina
         E era emoção
         O que eu sentia."

                                                                site da autora: http://www.raquelnaveira.com.br/

Nenhum comentário: