quarta-feira, 12 de outubro de 2011

À próxima tempestade

A tempestade no mar da galileia
Rembrandt



Atentai-vos a mim, homens, o vosso nobre capitão!
Não vede que seguimos à carenagem?
Machados aos estais, machados ao mastro,
Livrai-nos do excesso, aprumemos a nave!

É de frente e não de lado que se enfrentam as ondas, jovem timoneiro,
Alinha a proa e reze tua prece,
É de madeira de lei a quilha,
Mas a fé a fortalece!

Às tábuas a firmar, homens!
Aguentai-vos firmes,
Fazei-vos valer, esta é a hora,
Buscai vós na batalha a honra!

Rezai vossas preces,
Não perdeis a coragem!
O choro é para mais tarde.
Força!

Escorai-vos onde puderes,
Segurai-vos como puderes,
E ,assim, revezai-vos ao descanso.

Já se aproxima a bonança e é nela que se trabalha!
Nela não se descansa, mas se repara e se toma o fôlego;
Tão certo quanto ela é a próxima tempestade que já se precipita.

Por Rafael Castellar das Neves @ Desce Mais Uma!

3 comentários:

Rafael Castellar das Neves disse...

Obrigado Flávio! A imagem ficou muito boa!

[]s

Ana Andreolli disse...

lindo poema, parabéns

Rafael Castellar das Neves disse...

Olá Ana!! Muito obrigado!!

[]s