sexta-feira, 25 de novembro de 2011



Às vésperas de receber os filhos e a nora em sua mansão para os festejos de seu aniversário de 78 anos , o viúvo escritor Charles Langham sofre uma noite de dores, insônia, culpa e solidão. Por isso escreve. Em seu novo romance, no qual trabalhará toda a noite, transforma seus dois filhos, a nora e até a falecida esposa em personagens, os quais pode manipular, perverter, transformar e corrigir à vontade, até radicalmente, misturando em sua cabeça e despejando no papel suas lembranças, vontades, frustrações e desejos.

Alain Resnais, o cineasta da memória, adepto de narrativas não lineares e pouco ortodoxas, realizou este PROVIDENCE em 1977, com Sir John Gielgud, Dirk Bogarde, música de Miklós Rosza e figurino de Yves-Saint Laurent. Escrevi sobre ele no site Shvoong, resenha disponível aqui:

Maurício Limeira

Outros textos do autor:



Nenhum comentário: