terça-feira, 22 de maio de 2012

Asquerosas caixas de papelão

por Rafael Castellar das Neves

Esta semana, meu amigo Tony me enviou a reportagem “Projeto pede fim da distribuição de caixas de papelão em supermercados de São Paulo”, publicada pelo UOL. Trata-se de um projeto que está tramitando na Câmara Municipal de São Paulo e que objetiva a proibição, sim, a proibição, do fornecimento de caixas de papelão, pelos supermercados, para acomodação dos produtos de seus consumidores.

Bom, achei que a fantástica proibição das “Abomináveis Sacolinhas de Plástico” seria suficiente, mas a minha ingenuidade não me permite enxergar, antecipadamente, que nunca há limites! Agora a desculpa, lógico que esfarrapada, é que as caixas de papelão, então principais substitutas das sacolinhas plásticas, possuem maior quantidade de bactérias, fungos e outros micro-organismos do que as saudosas antecessoras.

Bonita esta preocupação do legislativo para com a saúde e o bem-estar dos nossos concidadãos, não acham? Só que a minha ingenuidade sim tem limites. A verdade é que se instaura mais uma baboseira que convence a população de estarem fazendo uma boa ação sob a fachada de melhorias para o meio-ambiente e bem-estar público cumprindo seu dever de cidadão, enquanto, nos bastidores, são discutidas e distribuídas as conveniências próprias daqueles ilustres senhores que só fazem encher os próprios bolsos acima de qualquer coisa e qualquer um.

Ainda deixa claro que o “Procon-SP informou que o Código de Defesa do Consumidor não obriga a entrega de nenhuma alternativa sem custo para o consumidor levar suas compras”. Bom, se agora vamos nos basear única a exclusivamente na lei, estamos na roça, para não dizer outra coisa. Esta não é a mesma lei que permite ainda, com jeitinho, a cobrança dos valores das sacolinhas plásticas e que também permitirá a das caixas de papelão nos valores dos produtos por parte dos supermercados? A relação cliente-fornecedor que conhecíamos está cada vez mais perdida e baseada, por lei, única e exclusivamente na troca seca entre as partes com o benefício maior de uma sobre a outra. Havemos de lembrar também das maravilhas surreais de propostas de leis que nossos tão queridos e instruídos legisladores oferecem como fruto de uma recreativa e vazia masturbação cerebral (acho que agora achei o real foco de micro-organismos).

Acho que já deu e já podemos acordar para as verdades em torno destas papagaiadas e agirmos de verdade para ajudar nosso meio ambiente e nosso bem-estar comum. São várias as alternativas, várias as recomendações e pequenas as ações que fazem completamente a diferença.

Pobre do meu irmão infectado que tanto puxei brincando dentro destas caixas de papelão na sala de casa...

Um viva às prósperas indústrias de sacolas “ecológicas”!

Dois vivas ao nosso brilhante legislativo que tanto nos acode!


São Paulo, 27 de abril de 2012.

Rafael Castellar das Neves é autor do blog Desce Mais Uma!

Nenhum comentário: