sexta-feira, 27 de abril de 2012

João Werner apresenta "Mesa de Bar"


Dia 30 de abril, o artista plástico João Werner abre uma nova exposição em sua galeria em Londrina, intitulada “Mesa de bar”.

Mantendo a verve esquerdista de exposições anteriores, nestas novas gravuras Werner faz um passeio pela periferia da metrópole, mostrando, com seu humor peculiar, o dia a dia dos “pouca-grana”, como o próprio artista, afetuosamente, conceitua.

Catadores de papel, lavadeiras, tatuadores da old school, gente apressada indo ao trabalho em transporte coletivo, todos são representados com um traço amistoso e sensível. Não há, nesta exposição de João Werner, a representação de luxo nem de glamour, nada de jóias, de champagne ou o que quer que lembre a riqueza em qualquer outra forma. Se em uma gravura como “Malabares”, por exemplo, aparecem automóveis, é apenas como um pano de fundo, como a representação inevitável da platéia anônima de mecenas dos “artistas do semáforo”.

Com esta atenção compassiva do artista dedicada à vida financeiramente menos favorecida, surgem representações do lazer e da festa populares, bem como de jogos e brincadeiras infantis. Assim, por exemplo, gravuras como “Carnaval” e  “Gafieira” mostram a diversão barata e acessível, enquanto que “Pipa” e “Burquinha”, por outro lado, revelam a criança em seu lazer.

Esta é, certamente, uma exposição bem menos polêmica do que outras exposições anteriores de João Werner. Ao visitante será possível ver como um artista, em outras oportunidades tão iconoclasta e contestatório, pode ser, também, um narrador atento e empático da vida mais simples. Nestas gravuras, Werner assemelha-se àquele cronista a que se referiu Walter Benjamin, o qual, não distinguindo os grandes dos pequenos acontecimentos, não deixa que nada do que aconteceu possa ser considerado perdido para a história."


Serviço

Exposição individual com 24 gravuras digitais de temática urbana.
Visitação: de 30 de abril a 29 de junho de 2012
Local: Galeria João Werner, rua Piauí, nº 191, sala 71, 86010-420, Londrina, PR.
Horário: terças a sextas-feiras, das 14h às 20h, sábados, das 11h às 17h.
Entrada gratuita, com monitoria.

Parada de ônibus - João Werner

Malabares - João Werner


Carnaval - João Werner


quarta-feira, 25 de abril de 2012

Anna Bella Geiger inaugura exposição de inéditas na Artur Fidalgo

Há sete anos sem expor obras recentes individualmente
em galerias de arte, artista volta a criar e expõe trabalhos como “Rrolo-Scrolls com Terras e Mares” e o vídeo “Cuidado, Cão Feroz”

Anna Bella Geiger inaugura a exposição “Nem mais, nem menos” na próxima quinta-feira, 26 de abril, às 19h, na galeria Artur Fidalgo, com cerca de 20 trabalhos, quase todos inéditos, realizados entre 2009 e 2012. Dentre as inéditas, destacam-se peças como “Rrolo-Scrolls com Terras e Mares” e “Rrolo-Scrolls com flor antiga DÉCO e xícara de porcelana branca”, ambas de 2012, feitas com papel pergaminhado, e o vídeo “Cuidado, Cão Feroz”, também de 2012, produzido a partir de uma estatueta de bronze e objetos que se relacionavam com sua recente vídeo-instalação “Circa V”.

“Tenho feito muitas exposições, aqui e fora do Brasil, entretanto são retrospectivas ou mesmo recortes temporais ou de algum suporte específico. Quando percebi estava há sete anos sem mostrar trabalhos novos e o convite do Artur veio na hora certa de eu me recolher para criar”, declara Anna Bella.

Anna Bella Geiger é sem dúvida a primeira dama das artes visuais brasileiras. Desde o início da década de 1950 realiza um sólido trabalho com uma enorme variedade de meios de expressão, técnicas e materiais: desenho,  pintura,  fotografia, vídeo, xerox, cera, metais etc. A artista também tem papel fundamental no ensino da arte no Rio de Janeiro. Atuou no período áureo do Bloco escola do MAM e após seu término, transferiu-se para a Escola de Artes Visuais do Parque Lage onde leciona até hoje.

Sua obra se articula em torno da discussão sobre a paisagem não como representação da natureza, mas como uma de suas reconstruções poéticas. Isso se une à indagação sobre o significado da noção de território e, portanto da existência/ ausência das fronteiras que o configuram. É nesse lapso a “paisagem” se inclui. “Entre a geopolítica e a geopoética, entram as questões estéticas formais. Lido com as duas faces dessa geografia que é inesgotável – situações que eu tenho que decifrar. Para mim este é o papel do artista, desvendar o que está acontecendo e botar para fora como objeto de arte”, concluí.
                                              
Para o crítico Fernando Cocchiarale, curador da mostra, “a obra de Geiger surpreende por seu  compromisso com as questões mais vivas da arte atual. Longe de ter se cristalizado num estilo próprio, coerente, porém  imobilizador da dinâmica de qualquer processo efetivo de invenção e criação, segue pela via processual plena que renova e situa sua obra num patamar qualitativo único na produção artística brasileira. Não é pouco para alguém que há sessenta anos vem contribuindo para o debate das principais questões da arte brasileira”.

Ana Bella Geiger


Sobre Anna Bella Geiger

Vive e trabalha no Rio de Janeiro.
Últimas Individuais: “On a certain piece of land”, The Red Gate Gallery, Pequim (2005); Projeto Respiração, “Circa”, Fundação Eva Klabin, Rio de Janeiro (2006);“Fotografia além da fotografia”, Paço Imperial, Rio de Janeiro (2008); “Anna Bella Geiger: vídeos 1974/2009”, Oi Futuro, Rio de Janeiro (2009-2010) e “Anna Bella Geiger: circa MMXI”, Sesc, Rio de Janeiro (2011).
Últimas Coletivas de destaque: “RolePlay: feminist art revisited 1960-1980”, Galerie Lelong, Nova York (2007); “Elles@Pompidou”, Paris, “La mancha humana. El arte conceptual en las colecciones”, CGAC, Santiago de Compostela; “Espai de lectura 1: Brasil”, MACBA, Barcelona (2009/2010); “Modern women single channel”, MoMA PS1, Nova York; “Como nos miran”, CGAC, Santiago de Compostela (2011).

Participou de oito Bienais de São Paulo; 39a Bienal de Veneza; II Bienal de Liverpool; 8ª Bienal do Mercosul e Europalia, Bélgica. Tem obras nas coleções do MoMA, Nova York; Centre Pompidou, Paris; ICA, Chicago; Victoria & Albert Museum, Londres; Getty Collection, Los Angeles; Museo Reina Sofia, Madri; MAM, Rio de Janeiro e São Paulo, entre outras.
Principais prêmios: Gugenheim, Nova York (1982) e Ibram de Arte Contemporânea (2011).

SERVIÇO:

Anna Bella Geiger  – Nem mais nem menos
Curadoria:Fernando Cocchiarale
Abertura: quinta 26 de abril às 19h (aberta ao público)
Exposição: 26 de abril a 31 de maio de 2012
Segunda a sexta, 11 às 19h | sábado, 11 às 18h
Grátis | Livre para todos os públicos

Galeria Artur Fidalgo
Rua Siqueira Campos 143 | 2º piso
Copacabana | RJ
21 2549-6278
www.arturfidalgo.com.br

quarta-feira, 18 de abril de 2012

O último tango em Paris


Para além dos escândalos, das proibições, da manteiga e das unhas cortadas, O ÚLTIMO TANGO EM PARIS é um filme que marcou época, e que continua sendo reverenciado e imitado, mais de 40 anos depois de sua estreia.

História de um homem de meia idade que, diante do suicídio da esposa, não sabia nada da mulher com quem vivia. E que, entre as quatro paredes de um apartamento alugado, se envolve ardentemente com outra mulher, com a metade da sua idade, de quem também nada sabe.

Por que essa badalação toda em cima do filme que Bernardo Bertolucci dirigiu em 1972 e botou a estreante Maria Schneider para contracenar com o mito Marlon Brando? Revendo o filme, tentei responder a pergunta aqui


Maurício Limeira

http://pt.shvoong.com/writers/mauriciolimeira/


sexta-feira, 13 de abril de 2012

Retomada do projeto da Biblioteca de Botafogo

Miguel Sousa Tavares abre o projeto de ocupação cultural da Biblioteca Popular Municipal de Botafogo dia 17/04.

Programação de Abril é dedicada à Semana de 22, e as atrações gratuitas vão até novembro de 2012.


Arte gratuita e de qualidade para todas as idades e todos os gostos. É com esta proposta que o “Estação Pensamento e Arte” reestreia sua programação dia 17/04 na Biblioteca Popular Municipal de Botafogo. No evento de abertura do projeto de ocupação cultural do espaço o escritor português Miguel Sousa Tavares fará a leitura

de trechos de seus livros Equador e No teu deserto.


Augusto Brício



A programação de abril será dedicada à Semana de Arte Moderna, que completa 90 anos em 2012 (veja programação completa abaixo). Para repensar e conhecer melhor aquele que foi um marco na cultura brasileira, a curadora geral do projeto, Suzana Vargas, convidou nomes afinados com o assunto. Entre outros, o diretor e escritor Luis Carlos Maciel, que fará a leitura da peça “O Rei da Vela”, escrita por Oswald de Andrade e que teve montagem antológica pelas mãos de José Celso Martinez Correa; o crítico de arte Frederico Moraes e o pesquisador João César de Castro Rocha, discutindo a estética modernista; e o poeta Eucanaã Ferraz, no comando do “Sarau Modernista”. As crianças também terão vez na recriação do universo modernista, com a oficina e brinquedoteca em homenagem à pintora Tarsila do Amaral “Todo mundo tem um pouco de Tarsila”, com a arte-educadora Lídice Mattos.

Além das homenagens à Semana de 22, o projeto abriga em abril a edição 2012 do evento “Encontros Literários”, com curadoria do escritor e jornalista Marcelo Moutinho. Para falar sobre os diálogos entre literatura e cinema, estarão na biblioteca Marçal Aquino e Marcelo Janot. No mesmo mês, também se destaca a oficina de poesia “Farani Cinco Três: Poesia e Performance”, com Chacal. Outro convidado de honra a se apresentar no projeto é o trio Madeira Brasil, com
Ronaldo do Bandolim (bandolim), Zé Paulo Becker (violonista) e Marcello Gonçalves (violonista).
Programação de qualidade o ano todo
Para o primeiro semestre de 2012, o “Estação Pensamento e Arte” já tem confirmados mais nomes pra lá de especiais: o crítico e escritor José Castello (vencedor do Jabuti de 2011), o também premiado escritor Luiz Ruffato, o escritor e jornalista Arthur Dapieve e o violonista Yamandu Costa. 
A curadora do projeto, Suzana Vargas, diz que a retomada das atividades  confirma o sucesso da iniciativa em 2011, quando cerca de duas mil pessoas passaram pela bela casa da Biblioteca Popular Municipal de Botafogo. “É muito bom saber que a Secretaria de Cultura e o público reconhecem a importância dessas ações que levam dinamismo e visibilidade a um espaço que é de todos, como a biblioteca”.

Sobre o projeto
Entre agosto e dezembro de 2011, o projeto “Estação Pensamento e Arte” atraiu um público numeroso e eclético aos corredores da Biblioteca Popular Municipal de Botafogo, para eventos gratuitos e de qualidade incontestável: palestras, cursos, seminários, workshops, encontros literários, mesas de debates e shows. Dezenas de intelectuais, artistas e músicos rechearam a programação neste período, com destaque para Mia Couto, João Máximo, Ruy Castro, Milton Hatoum e Ana Maria Machado.

Local: Biblioteca Popular Municipal de Botafogo - Rua Farani 53, Botafogo – RJ
Informações: (21) 3235-3799 :: estacaopensamento@gmail.com
Realização: Estação das Letras
Apoio: Prefeitura do Rio de Janeiro /Secretaria Municipal de Cultura
Assessoria de imprensa: Canto do Trabalho - Jaciara Rodrigues & Juliana Prado
Curadoria geral: Suzana Vargas
Outros curadores:
“Concertos” – Yamandu Costa
(de abril a junho)
“Plano sequência” – Rodrigo Fonseca

“Espaço brincar” – Ninfa Parreiras
“Encontros literários” – Marcelo Moutinho

ABRIL

ABERTURA
LITERATURA, LEITURA E HISTÓRIA, com Miguel Souza Tavares
17/04,
terça-feira, 19h30
Miguel Sousa Tavares - Escritor português. Autor de livros de reportagem e crônicas, como Sahara, a república da areia e Sul, de livros infantis e juvenis, como O planeta Branco e O segredo do rio e dos romances Equador, Rio das Flores e No teu deserto.
CURSO
MANIFESTOS DO MODERNISMO: VANGUARDAS EUROPEIAS E O MODERNISMO BRASILEIRO
23/04 (2ª feira), 25/04 (4ª feira) e 30/04 (2ª feira), das 15h às 17h
Gilberto Mendonça Teles - Poeta, crítico (ensaísta), professor Emérito da PUC-Rio e da UFG. Professor honoris causa da UFCE. Autor de Hora aberta (poemas) e dos livros de crítica Drummond – A estilística da repetição, A retórica do silêncio e Vanguarda europeia e modernismo brasileiro. Recebeu os prêmios Machado de Assis (ABL), Juca Pato (UBE-SP) e Jabuti (CBL).
 CICLO DE PALESTRAS - A ESTÉTICA MODERNISTA

18/04
(4ª feira), das 19h às 21h
UMA LITERATURA ANTROPOFÁGICA
João Cezar de Castro Rocha - Professor associado de literatura comparada da UERJ e pesquisador do CNPq. Autor de cinco livros e organizador de mais de 20 títulos publicados no Brasil e nos EUA. Doutor pela Universidade de Stanford e UERJ. Pós-doutor pela Universidade Livre de Berlim/Fundação Humboldt.

19/04
(5a feira), das 19h às 21h
TARSILA DO AMARAL: UMA OBRA-MANIFESTO
Frederico Morais - Crítico e historiador de arte, audiovisualista, curador de quase uma centena de exposições no Brasil e no exterior. Várias vezes premiado, foi titular da coluna de artes plásticas de O Globo. Publicou dezenas de livros, entre os quais Cronologia das artes plásticas no Rio de Janeiro: 1816-1994, Arte é o que eu e você chamamos arte e João Câmara: trilogia.

23/04 (2ª feira), das 19h às 21h
ESTÉTICA MUSICAL MODERNA: UM CONCEITO
Ricardo Prado – Compositor, regente e diretor artístico. Tornou-se diretor da maior escola de música pública do Brasil, a Villa-Lobos, no Rio de Janeiro, antes dos 30 anos. Colaborador dos maiores órgãos de imprensa do país e autor de artigos, ensaios e contos publicados em diversas coletâneas.
WORKSHOP
O REI DA VELA, UMA LEITURA
24/04
(3ª feira), das 18h às 21h
Luis Carlos Maciel - Bacharel em Filosofia pela UFRGS, estudou direção teatral e roteiro no Carnegie Institute of Technology, EUA. Dirigiu inúmeros espetáculos teatrais, oficinas de interpretação e de roteiro e publicou muitos livros sobre teatro, cinema e cultura em geral.
ESPAÇO BRINCAR
TODO MUNDO TEM UM POUCO DE TARSILA
28/04
(sábado), das de 16h às 17h
Lidice Mattos - Artista visual, educadora, curadora, arquiteta, mestre em história e crítica da arte. Educadora na Escola de Artes Visuais do Parque Laje, Rio de Janeiro, museus e centros culturais como MAM-RJ, Museu do Açude, Paço Imperial e Casa França Brasil. Tem trabalhos publicados na Anpap e na Revista Concinnitas, e exposições realizadas na EAV, Universidarte e Camberwell College of Arts.
CONCERTO DE OUTONO
TRIO MADEIRA BRASIL
CURADORIA: Yamandu Costa
27/04
(6ª feira), das 19h30 às 20h30
Trio Madeira Brasil é uma das melhores novidades surgidas no universo da música instrumental dos últimos tempos. Ronaldo do Bandolim (bandolinista), Zé Paulo Becker (violonista e mestre em música pela UFRJ) e Marcello Gonçalves (violonista e diretor musical) reúnem-se em torno de uma proposta artística ousada: fazer uma música ao mesmo tempo calorosa e bem acabada, apresentando um repertório tão precioso quanto eclético, com o que há de melhor na cultura brasileira e atento às manifestações de outras culturas.
 LEITURAS IMPERDÍVEIS
SARAU MODERNISTA: A POESIA EM PÂNICO
30/04
(4ª feira), das 19h às 21h
Eucanaã Ferraz - Poeta e professor da UFRJ. Organizador de Letra Só, de Caetano Veloso, Poesia completa e prosa de Vinícius de Moraes e Versos de circunstância, de Carlos Drummond de Andrade. Autor dos livros de poemas Desassombro, Rua do mundo e Cinemateca. Publicou, ainda, Folha Explica Vinícius de Moraes. Consultor de literatura do Instituto Moreira Salles.  


OFICINA DE POESIA

FARANI CINCO TRÊS: POESIA E PERFORMANCE
Início: 14/04 (sábado) das 11h às 13h
Ricardo de Carvalho Duarte (Chacal) - Poeta com 15 livros publicados, um dos fundadores do movimento Poesia Marginal nos anos 70. Belvedere, sua obra completa, foi Prêmio APCA (SP) em 2007. Em agosto de 2012, lança Murundum.
 ENCONTROS LITERÁRIOS
Literatura e cinema: diÁlogos
25/04, quarta-feira, 19h30 às 21h30
Com Marçal Aquino. Mediação de Marcelo Janot.
CURADORIA: Marcelo Moutinho

terça-feira, 10 de abril de 2012

Um método perigoso



Em 1904, na Suíca, a chegada ao Hospital Psiquiátrico de Burgholzli de uma paciente aparentando histeria permite ao Dr. Carl Gustav Jung por em prática as teorias psicanalíticas de seu colega de Viena, o Dr. Sigmund Freud. Será o início de um turbilhão de recordações, traumas e culpa, paralelamente à exposição de desejos antigos e recém descobertos. Para Jung, no entanto, será o início de uma crise, no momento em que começar a se envolver com sua paciente.

Um filme de David Cronenberg, o cineasta das esquisitices da alma humana, é sempre motivo de curiosidade. Baseado em fatos reais e com Michael Fassbender, Keira Knightley, Viggo Mortensen e Vincent Cassel no elenco, o filme tem ainda roteiro de Christopher Hampton, de "Ligações Perigosas", "Carrington - Dias de Paixão" e "Desejo e Reparação".

Fui conferir, e escrevi sobre UM MÉTODO PERIGOSO aqui:

Maurício Limeira

http://pt.shvoong.com/writers/mauriciolimeira/
http://filmantes.blogspot.com
http://oadversario.blogspot.com

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Uma Noite com Aghata Christie

FESTIVAL DE TEATRO DE CURITIBA: Atores do Clube Curitibano apresentam a peça "Uma Noite com Aghata Christie"




O Grupo de Teatro do Clube Curitibano foi convidado pelo segundo ano consecutivo para fazer parte da programação do Festival de Teatro de Curitiba. Nesta edição, estará em cartaz com “Uma Noite com Agatha Christie”, peça que teve grande receptividade de público, assistida por cerca de 2,5 mil pessoas. Com direção de Enéas Lour, o grupo de atores realiza os últimos preparativos para a reestreia do Espetáculo. Com produção impecável, a trama presta uma homenagem a rainha do suspense, a escritora inglesa AgathaChristie. As apresentações acontecem no Teatro Alcides Munhoz, no Clube Curitibano, entre os dias 30 de março e 8 de abril.

Toda a história acontece em um único cenário, a sala de uma mansão, nos arredores de Londres, em 1946, em dia de nevasca. Os personagens, impedidos de sair da residência, mergulham em uma história inteligente e instigante. A trama se desenvolve entre os herdeiros de uma grande fortuna, na reunião da leitura do testamento. Entre eles há um misterioso assassino, que vai eliminando os herdeiros até o desfecho final do enredo, com a revelação do criminoso.

Para Lour a experiência em 2011 no Festival com a Commédia Dell'Arte, Arlecchino - Servitore di due padroni, agrega em vários quesitos para esta segunda participação. Um deles é a segurança dos atores em cena com relação ao peso de entrar mais uma vez no circuito de um festival que vai para a sua 21ª edição. "O padrão de qualidade que o Grupo atingiu o avaliza a participar de qualquer festival", considera o diretor.

Serviço:

Uma Noite com Agatha Christie
Datas: 30 e 31 de março – 21 horas / 1 de abril – 20 horas / 6 e 7 de abril – 21 horas / 8 de abril – 20 horas
Local: Auditório Alcides Munhoz – Av. Getúlio Vargas, 2.857
Classificação etária: a partir de 12 anos (acompanhado com o responsável).
Mais informações no site do clube: http://www.clubecuritibano.com.br/
ou pelo telefone (41) 3014 -1935.