segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Uma descrição piegas de um modo especial de andar

por Flávio Sanso
@flavio_sanso
www.reticencia.com


O ponto de ônibus é movimentado, o que não quer dizer que não seja monótono. Todos os ônibus são amarelos. Ao parar, todos produzem o mesmo som estridente. E todos se sucedem após a mesma arrancada impetuosa. No alto, o sinal alterna suas cores de sempre. Ali nunca haverá azul, ou cor-de-abóbora, ou roxo.

Mas alto lá. É preciso estar atento às brechas da rotina. Pela calçada se aproxima um casal de jovens. Bem jovens. Quase ainda crianças. Não os notaria com interesse se estivessem de mãos dadas. Caminham de um jeito singular. Ele a envolve em um abraço por trás. Estão grudados. Friccionam-se. Mas não há nisso qualquer traço de erotismo. Muito pelo contrário: exalam inocência. As pernas se movimentam em sincronia, provocando o efeito de parecerem sustentar um só corpo. As dele seguem as dela como se puxadas por um barbante imaginário. Há quem possa menosprezar a perícia do casal, mas aos implicantes recomendo que tentem fazer igual. Rapidamente perceberão que caminhar dessa forma, mais do que compatibilidade anatômica, requer a sintonia fina que contempla poucos e afortunados casais... Meu olhar os acompanha até que eles desapareçam na longitude da noite fria de agosto.

Embarco em um dos ônibus amarelos. Junto à janela percebo que alcancei o casal. É a última oportunidade de observar a cena, mesmo que por míseros segundos. Ele é alto. Em relação a ela, é muito alto. Os olhos dela, moldurados por óculos de aros vermelhos, projetam-se para cima. Não procuram as estrelas, nem a lua brilhante. Sorrindo, só o que  querem é encontrar os olhos dele.

Nenhum comentário: