terça-feira, 22 de abril de 2014

Estação das Letras comemora maioridade com festa e presença do português Gonçalo Tavares

Nascida para concretizar um sonho pessoal de sua criadora, a poeta e mestre em teoria literária Suzana Vargas, e de um grupo de escritores, entre eles Flávio Moreira da Costa, Victor Giudice, Sérgio Sant’anna e Antônio Torres, a Estação das Letras está comemorando sua maioridade: são 18 anos como reduto da literatura nacional no meio do caminho entre o Centro e a Zona Sul do Rio de Janeiro e uma bagagem de mais de 15 mil alunos em sua trajetória.
Em quase duas décadas, a Estação recebeu mestres da dimensão de Cleonice Berardinelli, Ferreira Gullar, Marina Colasanti, Ana Maria Machado, Affonso Romano de Sant’Anna e Antônio Carlos Secchin. Autores e mestres da literatura brasileira aceitaram compartilhar suas experiências profissionais com gente de muitas idades, um tanto de ideias, e, em comum, o desejo de melhorar seu fazer literário. Quiçá viver dele!
“São 18 anos de muita luta como pioneiros nessa modalidade de trabalho. Somos o primeiro espaço (e talvez único no país) alternativo, sem financiamento de ninguém, dedicado exclusivamente à literatura e leitura”, define Suzana Vargas, para quem a luta é justamente provar que um lugar como a Estação pode ser autossustentável.
A festa, com direito a “Parabéns para Você”, será na quinta-feira 24 de abril, na Fundação Casa de Rui Barbosa, a partir das 17h. O mestre da cerimônia é ninguém menos que o escritor e professor português Gonçalo M. Tavares, de passagem pelo Brasil, e que falará sobre os universos da criação literária. Gonçalo não perde a oportunidade e integra também a programação de cursos do mês com um workshop, no sábado 26.
A grade de aulas, cuidada pessoalmente pela Suzana nesses 18 anos, disponibiliza cursos regulares, que duram até quatro meses, oferecidos nas modalidades Introdução e Avançado, e cursos mais rápidos de um ou dois meses, workshops, ciclos de palestras, além de aulas rápidas aos sábados. Abril, por exemplo, conta com um ciclo de Cortázar no ano do centenário dele, de Palavra e Imagem, sobre História da Arte e, entre os profissionalizantes, o de Como ser Editor.
Para comemorar o marco dos 18 também entrou recentemente no ar o novo site da Casa (www.estacaodasletras.com.br), com o lançamento das oficinas on-line, inaugurando um novo capítulo nesta história. Com elas, a Estação realiza o desejo de muita gente, moradora nos quatro cantos do país, e mesmo fora dele, que solicita frequentemente o serviço da Entidade e acabam com a desculpa de falta de tempo e distância, abrindo ainda mais o leque de possibilidades da Estação das Letras.
- Para além dos on-line e próximo deles, a Estação deverá lançar a Rede Escreviver, inicialmente para consumo interno e logo para consumidores externos, antecipa Suzana. Trata-se de uma rede de escrita na qual os participantes trocarão informações, textos, leituras entre si e que também será abrigada na página oficial.
Dessa história merece reverência ainda o serviço fixo de análise de originais, criado há uma década, atendendo a autores de todas as regiões do país: Beirut Souvenirs (Ana Cristina Leonardos), 50 tempestades (Wanda Lins), Em cada canto um conto (Itala Sandra Del Sartro), Galo Velho (Luis Fernando Caruso) e Poemas para o fim dos tempos (Carlos Frederico Manes), As primeiras pessoas (Cesar Cardoso), A versão dos vencidos - uma ótica sobre a história do México (Humberto Borges), Um homem chamado Luiz (Lenira Tabosa Pessoa), A Ética de Demétrius (Paulo Boaventura ) e O elogio da mentira e outras histórias (Lycio de Faria) são algumas das obras lançadas no Brasil e que passaram pelas mãos dos pareceristas da Estação.
Para empresas, há cursos direcionados aos funcionários, com o objetivo de treinar a escrita adequada e estimular as capacidades criativa e interativa dos funcionários, bem como ampliar seus conhecimentos culturais. A LiterÁrea, livraria da Estação, é um polo a parte para reuniões, lançamentos, confraternizações e, claro, venda de obras escolhidas com muito cuidado.
O resultado de todo esse trabalho é medido em parte pela aceitação do mercado editorial, que recebe os autores saídos das oficinas e que acabam bem sucedidos em suas áreas de atuação. “E, enquanto produtora, idealizamos e trabalhamos com eventos cujo resultado efetivo se fez sentir na comunidade do livro, tais como as Rodas de Leitura e o Livros na Mesa, entre muitos outros, inclusive na área internacional”, complementa Suzana, mencionando Mostra Sul da Poesia Latino-Americana, Informes de Borges, além das Vanguardas Literárias da América Latina.
Como metas da Suzana Vargas estão a ampliação de serviços para atender a população de baixa renda, a formação de leitores e o estímulo da escrita de forma geral. “Escrever para sobreviver num mundo cuja história, mais do que de imagens, está vivendo da escrita”, analisa Suzana.

SERVIÇO:
Coquetel de 18 anos da Estação das Letras
Endereço: Fundação Casa de Rui Barbosa (Rua São Clemente 134, Botafogo / Rio de Janeiro)

24 de abril, 17h

Nenhum comentário: