segunda-feira, 14 de abril de 2014

Matheus Brant lança livro e CD inspirados em Hannah Arendt

Com arranjos inusitados, as letras de “A música e o Vazio no Trabalho” lançam uma crítica contundente ao vazio das relações humanas no trabalho. O CD encarta uma obra multimídia composta também por literatura e artes plásticas.

O descompasso entre as múltiplas dimensões do trabalho humano inspirou o compositor Matheus Brant a conceber o seu segundo álbum autoral. Com produção assinada pelo percussionista e compositor pernambucano Lenis Rino, as faixas do “A música e o Vazio no Trabalho” lançam um olhar crítico à mediocridade e a aspereza das normas trabalhistas, usando como fio condutor o livro “A condição humana”, da cientista política alemã Hannah Arendt.

“Procurei apontar certa miopia que parece assolar as relações nas atividades humanas, o que impede a proteção de dimensões como a satisfação, o reconhecimento, a realização, a projeção, enfim, dimensões subjetivas do ser humano em seu trabalho”, diz Matheus.

Os arranjos, criados por Matheus e Lenis, chamam a atenção pela versatilidade. A música Quintal, por exemplo, tem referências que variam desde elementos dos anos 1980 até o recente arrocha baiano e suas linhas de acordeom marcantes. Dessa forma, a obra rompe com todos os limites estéticos para demonstrar o vazio das relações humanas, lançando uma crítica contundente sobre a rotina do trabalho, muitas vezes consumida em um ciclo alienante e sem nexo.

“Quintal está entre as minhas músicas prediletas. A letra tem um arranjo de palavras que transmite imagens um pouco diferentes, como a flor, o fruto, o verso, o sexo no meio do quintal”, confessa o compositor que, ultimamente escuta pagode dos anos de 1990 e música clássica como Ravel e Debussy.

O CD “A música e o Vazio no Trabalho” integra uma obra multimídia composta também por literatura e artes plásticas. Todas as músicas foram criadas durante a escrita do livro “A música e o vazio no Trabalho: reflexões jurídicas a partir de Hannah Arendt” (editora Initiavia). As ilustrações são da artista plástica Deborah Paiva, conhecida por ter obras estampadas no caderno Ilustríssima, da Folha de S. Paulo. “Senti a necessidade de reunir elementos artísticos para dar extensão às minhas ideias e questionamentos. Elas manifestam o meu olhar sobre as múltiplas dimensões do trabalho humano”, explica.

Todas as 5 músicas estão disponíveis para download gratuito no site do artista: matheusbrant.com.br/musica/a-musica-e-o-vazio-no-trabalho Lá, o internauta também pode acessar os dois primeiros capítulos do livro, a apresentação, o prefácio e o posfácio.

Para quem quer conferir de perto a nova obra de Matheus Brant, 24/04, o artista faz lançamento em Belo Horizonte, sua cidade natal, com show e sessão de autógrafos no Café 104, a partir de 20h.

Sobre Matheus Brant


Músico e compositor, Matheus Brant fundou em 2005 o grupo Chapéu Panamá com o qual, em 2009, lançou o disco “Ao vivo na Biblioteca”, com seis composições próprias. Teve diversas canções selecionadas para festivais como o Festival de Música de Belo Horizonte e a Mostra de Música Cidade Canção, em Maringá, no Paraná. Em 2012, Matheus lançou seu primeiro álbum “A Semana”, que traz 12 composições suas e conta com as participações especiais de Curumin, Marina Machado, José Luis Braga, Juliana Perdigão e Renato Rosa.O disco foi gravado e produzido por Lenis Rino, co-produzido por Flávio Medeiros, mixado por Gustavo Lenza e masterizado por Felipe Tichauer, e alcançou significativa expressão na internet.

Serviço:
Lançamento nacional do livro ‘A música e o vazio no trabalho: reflexões jurídicas a partir de Hannah Arendt’ e show com músicas do CD que acompanha a edição

Lançamento Virtual - músicas e trechos do livro para download: www.matheusbrant.com.br


Em Belo Horizonte:
Dia: 24 de abril de 2014
Local: Café 104, Praça Ruy Barbosa, 104.
Horário: 20h *Na ocasião do lançamento, o livro será vendido pelo valor promocional de R$ 50,00

Nenhum comentário: